Especismo

DEFINIÇÕES

O dicionário Merriam-Webster define o especismo como:

Preconceito ou discriminação com base em espécie; especialmente a discriminação contra os animais não-humanos.

Ou:

O pressuposto de superioridade humana em que o especismo é baseado.

O termo especismo foi cunhado pelo psicólogo Richard Ryder em 1973.

Eu uso o termo ‘especismo’ para descrever a discriminação abrangente praticada pelo homem contra outras espécies e para traçar um paralelo com o racismo. Especismo e racismo são ambas formas de preconceito baseadas nas aparências – se o outro indivíduo tem um aspecto diferente então é considerado moralmente inadmissível. O racismo é hoje condenado pelas pessoas mais inteligentes e compassivas e parece simplesmente lógico que essas pessoas devam estender sua preocupação por outras raças a outras espécies também. Especismo e racismo (e na verdade sexismo) ignoram ou subestimam as semelhanças entre o discriminador e aqueles contra quem discrimina e ambas as formas de preconceito expressam o descaso egoísta pelos interesses de outros e por seus sofrimentos.[1]

Portanto, especismo é a discriminação injusta entre indivíduos com base na espécie. Algumas discriminações baseada em espécies não são injustas, como por exemplo, dar uma carteira de motorista para um humano, mas não para um não-humano.

DESCONSIDERAÇÃO MORAL

A manifestação mais comum de discriminação especista é antropocentrismo moral, que é a desvalorização dos interesses daqueles que não pertencem à espécie humana. O especista acredita que a vida de um membro da espécie humana, pelo simples fato do indivíduo pertencer à espécie humana, tem mais peso e mais importância do que a vida de qualquer outro ser.

As vidas e as experiências dos animais não-humanos são geralmente consideradas menos importantes do que os dos humanos, simplesmente porque eles não são como os seres humanos. Os fatores biológicos que determinam a linha divisória de nossa espécie – tais como falta de racionalidade, capacidade de linguagem, conexões sociais – teriam um valor moral – nossa vida valeria “mais” – que a de qualquer outra espécie.

No entanto, os animais não-humanos têm vidas emocionais e sentem dor, prazer, medo e alegria. Desvalorizar suas vidas porque eles não têm algumas características que a maioria dos seres humanos possuem é uma discriminação e usá-los para fins egoístas é uma discriminação injusta.

Cada característica que é usada para discriminar animais não-humanos também se aplicam a alguns seres humanos, no entanto, não são usadas para medir o valor dos seres humanos.

PERSPECTIVAS PARA ENTENDER O ESPECISMO

O especismo é complexo, e pode ser útil olhar para ele a partir de diferentes perspectivas – psicológicas, filosóficas e sociológicas. Há (pelo menos) três maneiras de olhar para o especismo:

Psicológica – Preconceito é, principalmente, um termo psicológico. Refere-se a crença de um indivíduo que apresenta uma justificação para a discriminação contra os outros. Houve um tempo em que o racismo era considerado um distúrbio psicológico, mas agora o racismo e outros “ismos”, como o sexismo, a heterosexismo e especismo são mais frequentemente visto em um contexto social mais amplo. Às vezes, o preconceito cultural é o termo usado para se referir a um preconceito socialmente compartilhado que está incorporado em uma cultura e de suas instituições.

Filosófica – A filosofia moral considera a moralidade das ações e olha para o especismo se ações especistas (discriminação) são ou não justificadas. A determinação que o especismo é injustificada seria verdade se houve prejuízo envolvido ou não.

As definições são frequentemente usadas pelos filósofos com base na definição de especismo do Richard D. Ryder, que normalmente é de uma interpretação restritiva para incluir apenas as discriminações com base apenas no pertencimento a espécie. O filósofo moral Oscar Horta defende uma definição mais ampla, que inclui qualquer discriminação contra animais não-humanos, se a discriminação é baseada no pertencimento a uma espécie ou não.

Especismo é a discriminação contra aqueles que não são classificados como pertencentes a uma ou mais espécies particulares.[2]

De acordo com esta definição, tentar justificar a consideração desigual de outros animais porque eles não são inteligentes como os seres humanos ou porque não têm relações com os seres humanos é especismo, mesmo se um apelo de pertencimento a espécie não for feita.

Sociológica: Na perspectiva sociológica se vê o especismo como uma ideologia e um problema social e não como preconceito ou discriminação. Isso se assemelha mais de perto a forma como os outros ‘ismos’, como o racismo e o sexismo. Se vê a discriminação especista como uma conseqüência importante de uma ideologia que normaliza a desvalorização de animais não-humanos.

Atualmente, os “ismos” incluindo o racismo, o sexismo, o heterossexismo e especismo são mais frequentemente vistos a partir de uma perspectiva sociológica, que os vê como sistemas de crenças compartilhadas que dão origem a e reforçam preconceitos e tornam a discriminação legítima. O sociólogo David Nibert define uma ideologia desta forma:

Uma ideologia é um conjunto de crenças socialmente compartilhadas que legitima uma ordem social existente ou desejado.[3]

Os sociólogos podem olhar para o que as forças sociais de trabalho para suprimir a empatia natural, as pessoas se sentem e fazer a opressão dos outros parecer normal, natural, e às vezes até mesmo em benefício dos oprimidos. Mas eles já não olham para as causas da opressão em crenças individuais, atitudes e ações. Eles tendem a ver o prejuízo (uma atitude individual) e discriminação (tais como maus tratos) como conseqüências das ideologias opressivas. Preconceito e discriminação apoio e perpetuar as ideologias, mas não levá-los.

O especismo é uma ideologia (um conjunto de crenças) que faz com que a discriminação contra os membros de outras espécies pareça normal e natural. A partir da nossa educação e experiências sociais que aprendemos a ver as características humanas e capacidades como o padrão ideal contra o qual todos os outros são medidos. Esta ideia está tão incorporada em nossa cultura e no nosso pensamento que parece natural, e inevitável, parar de discriminar outros animais. Mas quando nós realmente tentamos justificar isto moralmente, não conseguimos. O valor dos animais não-humanos não depende de como eles são semelhantes aos seres humanos, assim como o valor das mulheres não dependem de como eles são semelhantes aos homens ou como o valor das pessoas negras dependem de como elas são semelhantes aos brancos.

Estas três abordagens para entender o especismo são complementares.

SOCIEDADE E ESPECISMO

Embora grande parte do mundo desenvolvido hoje se esforce para impedir a discriminação contra grupos dentro da espécie humana (como mulheres, ou pessoas de uma determinada raça ou religião), a maioria das pessoas não sabem que o especismo existe como uma forma de discriminação.

Nós discriminamos outras espécies, utilizando-as em situações em que não envolveria os seres humanos. Por exemplo, estamos testando em animais produtos químicos a serem utilizados em produtos cosméticos, criamos animais em fazendas-fábricas de produtos alimentares, e usamos animais para entretenimento em circos, parques marinhos, e para o desporto em duelos e lutas de galos. Estes são exemplos de especismo porque eles envolvem o uso de outra espécie para trazer-nos vantagens de maneiras que não usaríamos seres humanos.

A fim de entender melhor como o especismo é apenas uma outra forma de discriminação, pode ser útil para fazer uma analogia a uma forma diferente de discriminação, como o racismo. Na pré-guerra civil dos Estados Unidos, por exemplo, a sociedade americana discriminava negros explorando seu trabalho em benefício dos brancos. Patronos de tabaco ou produtos de algodão não se consideravam racistas, mesmo através da compra de produtos feitos por escravos negros que estavam apoiando a discriminação contra pessoas de outra raça.

Vamos agora olhar para trás nesta sociedade civil pré-guerra como sendo racista, já que não conseguiu garantir os direitos aos negros iguais aos dos brancos. Da mesma forma, em todo o mundo de hoje, usamos animais de maneiras em que nós nunca iriamos considerar o uso de nossa própria espécie, e, portanto, a maioria das sociedades são especistas.

POR QUE O ESPECISMO IMPORTA?

Do ponto de vista filosófico, o especismo é apenas uma outra forma de discriminação, o que torna sua prática antiética. No entanto, porque a nossa sociedade aceita, ou talvez até mesmo adora, o preconceito contra outras espécies, pois é mais fácil continuar um estilo de vida especista que conscientemente fazer uma oposição a ele, age-se pelo status quo.

No entanto, como seres morais, é nosso dever de agir contra essa discriminação e o preconceito que o reforça, assim como muitos de nossos antecessores agiram contra outras formas de discriminação. Se você perguntar a um estranho na rua, agora, se eles pensam que as pessoas de uma raça, sexo ou religião diferente deve ser discriminado, mais provavelmente dar um inflexível: “Não, claro que não!” No entanto, a mesma pergunta apenas uma algumas centenas de anos antes, e você poderia obter uma resposta muito diferente. As pessoas poderiam ter-lhe dito que as mulheres não devem ter direitos iguais aos dos homens, ou que os negros eram desiguais aos brancos, ou que os judeus deveriam ser tratados de forma diferente do que os cristãos. A idéia de eliminar a discriminação contra animais pode parecer revolucionária – talvez até mesmo louca – mas tenha em mente que as pessoas pensavam quem exigia direitos fundamentais aos negros e mulheres era taxado de louco.

O ativista Gary Smith resume esse pensamento muito bem quando ele diz:

Há 150 anos, eles teriam pensado que era um absurdo se você defendesse o fim da escravidão. 100 anos atrás, eles teriam rido de você por sugerir que as mulheres devem ter o direito de votar. 50 anos atrás, eles se oporia à ideia de afro-americanos recebendo direitos iguais perante a lei. 25 anos atrás, eles teriam chamado você um pervertido se você defendeu os direitos dos homossexuais. Eles riem de nós agora por sugerir que a escravidão animal seja encerrada. Algum dia eles não vão estar mais rindo.

O QUE PODEMOS FAZER PARA EVITAR O ESPECISMO?

Além das opções individuais óbvias que se pode fazer para reduzir o nível de especismo na sua vida – tais como evitando produtos de origem animal, evitando pele, couro, e reduzir o consumo de produtos de origem testatos em animais – é importante definir o que uma sociedade sem especismo deve ter.

Todos os seres sencientes compartilham interesses comuns básicos: Reduzir a dor e o sofrimento e aumentar os sentimentos de felicidade e prazer. Peter Singer diz:

Se um ser sofre, não pode haver nenhuma justificativa moral para recusar a consideração deste sofrimento. Não importa qual a natureza do ser, o princípio da igualdade exige que o seu sofrimento seja contado igualmente com o sofrimento de qualquer outro ser – na medida em que as comparações em bruto podem ser feitas.4

Assim, em um nível mais básico, eliminar o especismo significa dar consideração aos interesses dos animais não-humanos iguais aos dos membros da nossa própria espécie. Isso não significa que devemos tratar os animais como seres humanos e proporcionar-lhes o direito de voto eo direito à educação. Como Oscar Horta diz:

Considerar os interesses dos animais como iguais não significa que devemos tratar animais não-humanos da exatamente da mesma forma que tratamos os humanos.5

Isso simplesmente significa tratar todas as espécies de um modo que não é traga desvantagem para elas. Por exemplo, os interesses de um porco poderia ser a de passar uma tarde sob o sol, ou rolando em um banho de lama, ou, como os porcos são animais sociais, encontrando consolo na companhia de outros suínos.

É nosso dever como seres morais respeitar os interesses de todos os seres.


[1] Ryder, Richard D. Speciesism. Victms of Science: The Use of Animals in Research, 1975.

[2] Horta, Oscar. What Is Speciesism?, 2010.

[3] Nilbert, David Alan. Animal Rights / Human Rights: Entanglements of Oppression and Liberation, 2002.

[4] Singer, Peter e Regan, Tom. Animal Rights and Human Obligations. New Jersey: Englewood Cliffs, 1989.

[5] Horta, Oscar. What is Speciesism?, 2010.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s